Revista Nuntiare

A dedicação e o legado de José Marques de Melo

 

José Marques de Melo foi jornalista e professor na área da Comunicação. Nascido em 1943, na cidade Palmeira dos Índios, em Alagoas, o pesquisador desenvolveu trabalhos importantes no âmbito da Comunicação Social no Brasil. As publicações científicas do teórico contribuíram, principalmente, com os estudos sobre a história e rotinas de produção jornalística.

A recente morte do professor, no dia 20 de junho, comoveu pesquisadores de universidades brasileiras e latino-americanas. Com 75 anos de idade, o autor faleceu em decorrência de um infarto fulminante, deixando legado de aproximadamente 51 livros publicados. Sendo um dos nomes mais citados nas pesquisas de Jornalismo do país, José Marques de Melo foi o primeiro doutor da área titulado por universidade brasileira.

O professor se formou em Jornalismo na Universidade Católica de Pernambuco na década de 1960. Após sua formação acadêmica, muda-se para São Paulo, onde ajudou a fundar a Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA), na Universidade de São Paulo (USP), onde trabalhou como docente e obteve seu título de doutor em Ciências da Comunicação. Além da ECA, fundou o Centro de Pesquisas da Comunicação Social, da Faculdade Cásper Líbero, também em São Paulo. Outro legado importante foi sua colaboração para fundar uma das principais associações de pesquisadores em comunicação do Brasil, a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).

Um dos acontecimentos mais marcantes na vida de Marques de Melo foi durante a ditadura militar no Brasil, quando foi impedido de exercer sua profissão como docente em universidades públicas por anos, voltando a exercer sua profissão somente após a anistia, em 1979.

Para a docente do curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Karina Woitowicz, a vasta obra de José Marques de Melo é obrigatória para muitos estudos. “Também é importante lembrar-se da doação de um dos lotes do seu acervo bibliográfico para a biblioteca da UEPG”, diz Karina. A professora afirma que a participação do autor no curso se deu de várias formas, entre elas a indicação para o prêmio Luiz Beltrão em 2017, concedida ao curso pelo Intercom.

Os trabalhos de Marques de Melo tinham temas voltados para a história do Jornalismo, bem como focados no próprio Jornalismo brasileiro. Sendo assim, suas contribuições para a Comunicação atingiram os estudos relacionados aos gêneros jornalísticos, Folkcomunicação e também outras áreas do jornalismo científico. Sua influência nas pesquisas acadêmicas colaborou para a construção de referências que abrange os estudos comunicacionais não só do Brasil, mas os da América Latina.

O autor defendia o Jornalismo como um campo científico legítimo, capaz de gerar conhecimento autônomo. Dentre as suas principais obras, destacam-se “Estudos de Jornalismo Comparado”, “Sociologia da Imprensa Brasileira”, e “A Opinião no Jornalismo Brasileiro”. Melo considerava o Jornalismo um campo técnico-profissional impor tante para a pesquisa brasileira. Seus últimos estudosestavam focados na América Latina, onde produziu “Pensar la Comunicación en Latinoamérica” (2015); “Televisão na América Latina: 1950-2010; pioneirismo, ousadia, inventividade” (2011) e “Jornalismo made in USA: olhar brasileiro : (100 anos de pós-graduação e pesquisa)” (2012).

Marques de Melo esteve presente na UEPG em agosto de 2010, na 19ª Semana de Estudos em Comunicação.

Reportagem
Marina Michelis

Fotos e infográfico
Arquivo Laboratório de Fotojornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *